sexta-feira, 26 de março de 2010

IV FESTIVAL DE TEATRO S. JOÃO DA MADEIRA


14 a 25 Abril sob o signo do Centenário da República
O IV Festival de Teatro da cidade de S. João da Madeira, em parceria com o Projecto "Espaço Aberto" da Escola Secundária Serafim Leite, cumpre-se um ano mais. Nos Paços da Cultura as escolas, a cidade, estão em palco de 15 a 25 de Abril.
Sob o signo da República toda a cidade, pela mão dos seus filhos, vai a cena.
A pollis renova-se a cada ano, qual Fénix.

14 Abril, 21h30
Quarta-feira
Filo-café no Arte 7<

Drama e Plateia – A Vida como espectáculo
Sinopse: Quando Shakespeare colocou na boca de Hamlet a famosa frase “O mundo é um palco”, para além de querer afirmar o sentido da sua vingança, o bardo postulou uma questão interpretativa moderna da relação entre a Arte, a Vida a e as suas representações. Se, nunca como agora, o Mundo está transformado num palco tragicómico, onde está a plateia? Estaremos nós de que lado da cortina?
Gratuito

15 de Abril, 21h30
Quinta-feira
(abertura)
GIOCONDA e SI-YA-U.
Sinopse: Versão teatral do poema de Nazim Hikmet (1902-1963) sobre os amores da Gioconda, a da pintura do Leonardo da Vinci, a do Museu do Louvre, apaixonada por um revolucionário chinês. Nazim Hikmet o maior poeta turco do séc. XX, patriota e comunista, escreveu este poema numa prisão sobre o Mar Negro. Este espectáculo junta os ideais de liberdade estilística de um texto futurista com os da representação. Em cena três personagens, pelo menos... Por Suzana Borges.
6.oo€

16 de Abril, 21h30
Sexta-feira
Grupo Anim’arte - Universidade Sénior
Labirintos da Mente.
Sinopse: A loucura é exibida de forma conflituosamente sadia num hospital psiquiátrico. Cada personagem tipifica uma "loucura" onde cada um de nós se reverá!
Gratuito

17 de Abril, 15h00
Sábado
Grupo de Teatro Infantil Sol & Lua
A Aldeia da Felicidade
Texto Dramático: «Era noite… O João guardou o livro na sua estante, deitou-se na cama, adormeceu e sonhou… sonhou…»
Mãos…
Mímica: «Para onde caminha a Humanidade? Para a Felicidade ou para a Dor? Para a Morte ou para Vida? Para o Ódio ou para o Amor? Se nós, Seres Humanos, na verdade, quisermos Vida e Amor, Felicidade… devemos sempre e apenas…»
Gratuito

17 de Abril, 21h30
Sábado
TOJ (Escola Secundária Oliveira Junior)
Maria! Não me mates que sou tua mãe!
Sinopse – Maria! Não Me Mates, Que Sou Tua Mãe! narra um crime bárbaro ocorrido em Lisboa, em Setembro de 1848. Trata-se de uma filha que mata a própria mãe, apenas para a roubar. Camilo edita o folheto em dezasseis páginas, em regime de anonimato. Enquadra-se esta narrativa no âmbito da literatura de cordel, recorrendo ao sensacionalismo. Obteve grande êxito junto das camadas populares, sendo um dos primeiros textos de Camilo a pertencer a este género literário.
Gratuito

18 de Abril, 21h30
Domingo
TEPAS
Se perguntarem por mim...Não estou!
Sinopse: A evolução do homem foi sempre caracterizada pelo medo, sentimento primitivo causador de repressão ou de refúgio dentro da sua caverna. Nos labirintos dos vários medos presentes e futuros já não identificamos os tigres, o exterior tornou-se agreste. Nos dias que correm, seremos capazes de criar novo fogo? Uma nova cendalha de mudança? Ou é melhor pendurar os quadros, arranjar as cortinas, colocar as toalhas de mesa e voltar para a gruta...
Gratuito

19 de Abril, 21h30
Segunda-feira
Grupo Cultura Viva
Como a desgraça se espalhou no mundo.
Sinopse: A ação decorre em dois atos, o primeiro no Olimpo, residência dos deuses gregos. Conversam Zeus (Júpiter para os romanos), Hera (Juno para os Romanos) e Hefestos (Vulcano para os Romanos). Zeus manifesta a sua aversão por Prometeu, por este o ter ridicularizado. Quando é informado de que o mesmo Prometeu entregara o fogo celeste aos homens – o que os tornará iguais aos deuses -, Zeus resolve desforrar-se terrivelmente. Para isso vai dar origem a Pandora – a primeira mulher, correspondente à Eva bíblica – a que cada deus oferecerá uma graça. Todas essas prendas a tornarão irresistível.No segundo ato, Hera leva a estátua de Pandora a Prometeu. Este, desconfiado de tudo o que venha dos deuses, recusa a “prenda”.
Gratuito

20 de Abril, 15h00
Terça-feira
A Troupe (Escola Secundária Serafim Leite)
A Vida em Vénus.
Sinopse: A Vida em Vénus passa-se num futuro muito próximo, ou quem sabe mesmo hoje nos nossos dias e representa a importância dos valores sociais e da amizade.
Gratuito

21 de Abril, 15h00
Quarta-feira
CEI (Centro Ensino Integral)
O Espelho Único.
Sinopse: A peça intitulada "O Espelho Único" é da autoria de António Torrado e faz parte da obra "Era Uma Vez Quatro". A acção decorre numa loja de espelhos onde chega o senhor Narciso, "camponês simples", que parece nunca ter visto um espelho... parece mesmo que nunca se viu num espelho!
Mais tarde, já em casa, num ermo, onde vive com a mulher e a sogra, o senhor Narciso vê a sua vida rodear-se de sarilhos.
Gratuito

21 de Abril, 21h30
Quarta-feira
GEDE - Grupo de Expressão Dramática de Escapães
António Simões, o Bem - amado.
Sinopse: António Simões, o bem-amado, é uma sátira que representa a crise política de uma pequena comunidade do litoral de Portugal, nos nossos dias.
Gratuito

22 de Abril, 15h00
Quinta-feira
Janela Aberta - Escola EB 2,3 de S. João da Madeira
Dietas e Borbulhas.
Sinopse: Adaptação da obra “Dietas e Borbulhas” de Maria Teresa Gonzalez a texto dramático.
Retrata os problemas de alguns adolescentes em fase de crescimento e as suas dificuldades de aceitação e inserção no meio escolar. Neste caso específico, defrontamo-nos com o drama de Catarina, que se considera excessivamente gorda e luta com uma das doenças da actualidade a bulimia e a anorexia e de Afonso, que sofre de acne juvenil.
Gratuito

22 de Abril, 21h30
Quinta-feira
Lua Nova (Escola João da Silva Correia)
Sinfonia do Amor.
Sinopse: SINFONIA DO AMOR é a adaptação do Texto “Anatomia de uma História de Amor”, de Luzia Maria Martins. SINFONIA DO AMOR é um Hino ao amor.
O ponto de partida: Romeu e Julieta, de William Shakspeare; o ponto de chegada: Não se sabe. Durante cerca de 90 minutos, através da música e a dança, um grupo de jovens celebrará as grandes histórias de amor da literatura, transportando-as para os dias de hoje, ou seja, para a sua própria juventude.
Não se trata de teatro musical, tão pouco é uma Tragédia. É apenas um simples espectáculo de encontro de ideias e histórias: a do palco tão parecidas e tão diferentes as da plateia.
Gratuito

23 de Abril, 21h30
Sexta-feira
Serafins (Escola Secundária Serafim Leite)
Doces e Perversos.
Sinopse: Em Doces e Perversos mergulha-se nos recantos inacessíveis da mente humana. Laivos de dor e de ódio florescem onde menos se espera ao passo que delírio e fantasia alimentam os sonhos dos que recusam a realidade circundante. Entre o que cada um tem e o que cada um deseja, floresce a verdadeira essência do homem, eterno insatisfeito face à pequenez dos horizontes que o limitam.
Gratuito

24 Abril, 19h30
Jantar Republicano. Livre. Conspiratório.
Requisitos: Ser Republicano. Nota Republicana. Inscrição prévia, até 21 Abril, nos Paços da Cultura.
Lotação limitada. 15.00€

25 de Abril, 17h00
Domingo
(encerramento)
Eu Sou a Minha Própria Mulher.
Sinopse: Condecorado, pelo Senhor Presidente da República, com a ordem de Mérito, no Dia Mundial do Teatro, Seiva Trupe encerra o nosso Festival de Teatro. Para manter a fidelidade ao que sentia, Lothar Berfeld teve coragem de se travestir de mulher nos regimes despóticos da Alemanha e assumiu a identidade de Charlotte von Mahlsdorf. Não foi por acaso que o dramaturgo Doug Wright transformou a curiosa história em Eu Sou a Minha Própria Mulher, peça escrita para um actor interpretar não só a personagem principal como também os outros 30 que atravessam a acção.
6.00€



Sem comentários: