quarta-feira, 8 de abril de 2009

3º Festival de Teatro de S. João da Madeira


ABERTURA
16 Abril, 21h15
DO DESASOSSEGO
Baseado no “Livro do Desassossego” de Fernando Pessoa.
Um actor - Carlos Paulo e um músico - Hugo Franco.
Fernando Pessoa, ele próprio, será o músico, sem palavras, mas que através da execução musical de temas originais e, recorrendo aos mais variados instrumentos, preencherá silêncios, anunciará as mudanças marcará os ritmos- maestro por excelência – dos seus heterónimos. O actor representará seis personagens que compõem o imenso caleidoscópio de vivências que “O Livro do Desassossego” propõe; O Escriturário, A Criança, O Mendigo, O Palestrante, Homem/Mulher, Revoltado.
Comuna Teatro de pesquisa


17 Abril, 21h45
200 Anos depois
Duzentos anos depois da Batalha da Buciqueira, a história é recontada por Napoleão Bonaparte. Do massacre nascem os heróis!
Grupo de Teatro - Anim’Arte


18 Abril, 21h45
Brilhantina
Brilhantina não representará apenas um olhar nostálgico sobre uma época marcante, será, acima de tudo, uma homenagem à era do Rock n’ Roll.
Grupo de Teatro ”Os Serafins”


19 Abril, 21h45
Os Filhos do Esfolador
A peça aborda a história de António José Pinto, o cego de Landim, filho do barbeiro esfolador. Tendo feito fortuna, no Brasil, por vigarice e ladroagem, regressa a Portugal e vive faustosamente até ser vítima de oportunistas que o lançam na miséria. Resta-lhe uma última tentativa
Grupo de Teatro TOJ


20 Abril, 21h45
Lembras-te?!
Dois antigos colegas de escola e de liceu encontram-se na bilheteira da gare da estação de S. Bento. Aí, enquanto esperam pelos comboios em que vão embarcar, fazem uma retrospetiva de muitas coisas por que passaram em tempos idos.
Grupo Cultura Viva


21 Abril, 21h45
Conversa com Eugénia Vasquez
Tema: Teatro, Educação, cidadania.


22 Abril, 21h45
Sold
Shefield, um bairro rico, vandalizado um dia por indivíduos de raça negra, abriga agora um estranho grupo de jovens, onde há distintos problemas pessoais que contrastam com a grande amizade presente. As vidas quotidianas destes jovens são fortemente abaladas quando, um dia, alguém poderoso ameaça apoderar-se do único bem que lhes resta. Um musical cheio de força, sinceridade, e muito, muito álcool, que descobre o poder do amor e da união.
Grupo de teatro Shefield


23 Abril, 15h30
Velejando para o século XXI.
Dramatização de um texto produzido pelos alunos do 3º Ciclo recriado a partir do estudo do " Auto da Barca do Inferno", um anacronismo do texto vicentino.
Núcleo de teatro Janela Aberta


23 Abril, 21h45
Febe Espírito do Tempo
Baseado em “sangue no pescoço no gato” de Rainer Werner Fassbinder
Uma brincadeira que se tranforma num duro retrato da sociedade capitalista. Múltiplas personagens imploram,ofendem,atormentam,julgam,debitam sentenças e máximas,sugam-se umas as outras,palavras e atenção procurando dar sentido as relações humanas. Mais uma espécie de peça de teatro apresentada pelo TEPAS.
Grupo de Teatro TEPAS


24 Abril, 21h45
Como obter um diploma em 90m
É uma comédia satírica, baseada na peça “a Lição”, de Eugéne Ionesco, na qual um professor chega às raias da loucura ao tentar explicar os princípios mais básicos do saber a alunas sem qualquer tipo de raciocínio, a fim de as preparar para o exame final de doutoramento.
A peça é, ironicamente, uma sátira àqueles que estão sempre prontos a submeter-se à lei do menor esforço para obter sucesso, na escola como na vida.
“Como obter um diploma em 90m” è uma crítica à situação em que o ensino se encontra, mas é sobretudo um texto que explora a incomunicabilidade humana.
Grupo Teatro Lua Nova



ENCERRAMETO
25 Abril, 21h45
OBVIAMENTE, DEMITO-O!
A peça que encerra o 3º Festival de Teatro tem como mote uma das frases mais importantes do século XX Português. Criou o cataclismo que anunciou o fim do fascismo à Salazar. Terá sido esta a frase mais teatral dita em Portugal nos últimos 50 anos. O General Delgado tinha conseguido articular o poder de síntese – a dramaturgia, o momento e local de actuar – a encenação, e tinha compreendido o que iria agradar ao seu público – o povo português.
Teatro A Barraca

Sem comentários: